A grande maioria das matérias e artigos relacionados a assuntos profissionais estimulam a competitividade, independente do segmento de atuação. Seja por melhoras de desempenho ou incrementos de capacitação profissional, a realidade é que os profissionais recebem mais pressão a cada dia. E com a crescente oferta de oportunidades de estudo e de recursos tecnológicos muitos profissionais acabam se tornando verdadeiros workaholics, algo que a não muito tempo atrás era até motivo de orgulho.

É claro que nos ambientes profissionais de alta performance a pressão e algum nível de stress têm efeitos positivos, mas quando essa dose é exagerada, o preço que a saúde do indivíduo irá pagar será bastante alto. Quando se chega ao ponto máximo do stress profissional se instala o desgaste emocional, psicológico e físico. É a Síndrome de Burnout, um mal que atinge cerca de 30% dos trabalhadores no Brasil.

Normalmente a Síndrome de Esgotamento Profissional ocorre pelo acúmulo de diversos fatores estressantes como: excesso de trabalho, atritos com colegas, pressão dos superiores, cobrança por melhores resultados e pouco descanso, entre outros.

O início deste quadro de esgotamento profissional apresenta sintomas fisiológicos e psicológicos. Na parte física as principais queixas costumam ser de insônia, dores musculares enxaqueca, gastrite e pressão alta. Já no aspecto psicológico pode-se notar mudanças bruscas de humor, ansiedade, insegurança, dificuldade de concentração, esquecimento de tarefas, falta de apetite, cansaço extremo, baixa autoestima, isolamento social e até depressão.  Na maioria dos casos esse conjunto de sintomas vai surgindo gradativamente, então a percepção a respeito deles é difícil de ser notada.

A Síndrome de Burnout é um quadro realmente sério, portanto precisa ser tratada com cuidado por especialistas. Ao perceber alguns desses sintomas, mesmo que em baixa intensidade, recomenda-se realizar exames psicológicos. A primeira etapa é avaliar se a causa maior do stress é no realmente ambiente de trabalho.

O tratamento psicoterápico deverá analisar a relação do indivíduo com sua profissão e o ambiente profissional em que ele atua. Também vai auxiliar a pessoa a entender os motivos do seu esgotamento, ou seja, quais são os fatores estressantes do seu dia-a-dia no trabalho. Em alguns casos pode ser necessário o tratamento psiquiátrico com prescrição de remédios.

Em paralelo à psicoterapia é fundamental buscar uma melhora na qualidade de vida, seja com atividades físicas, hobbies, alimentação e descanso. Terapias integrativas como acupuntura, yoga e meditação também ajudam no controle e prevenção do stress.

O Instituto Território do Ser oferece diversas terapias integrativas bem como serviços profissionais de psicoterapia. Venha conhecer as atividades de autocuidado que promovem a melhora de sua saúde física e emocional.

Compartilhe: